Pular para o conteúdo principal

Coisas que escrevi para vocês

Atendendo a pedidos, vou postar os textos que estiveram no meu site.
Começo com o que escrevi sobre minha visão pessoal e artística das gravadoras, e de como me posicionei.
O texto e a posição tiveram lugar em 2002, quando pedi para sair do contrato que me ligava à Universal Music.
Permanecem comigo, válidos até hoje.

"Sem arriscar, do artista não brota a obra.
A realização dessa obra requer muita fé no que não se pode ver,
nem tocar,nem sequer acreditar que é possível...
e suportar a pressão dos incrédulos.
Ser artista é entre outras coisas, ter coragem de ousar,
de mergulhar no desconhecido até então.
Quem investe na arte?"
Zizi Possi


Meus amigos;
Muitas pessoas que gostam de mim e do meu trabalho têm perguntado sobre a minha rescisão com a gravadora, e o que será do meu futuro.
Gostaria de responder a todos os que têm essa questão em mente, contando um pouco do que, e de como penso sobre isso.
Vale lembrar que não sou dona da verdade, nem pretendo convencer ninguém a respeito de nada.
Estou apenas expressando o meu ponto de vista, e esclarecendo minha opção.
É o seguinte:
A indústria da música no mundo gera o maior capital depois da de petróleo.
Ou pelo menos gerava, antes da facilidade de reprodução de um CD pela pirataria, e da era Internet,
Ou seja: um próspero negócio.
As gravadoras multinacionais no Brasil, historicamente dominaram o mercado por serem mais ricas e organizadas,
Graças ao geométrico potencial de desenvolvimento financeiro, chamaram a atenção e foram absorvidas por grandes corporações ou parques temáticos:
A CBS virou SONY MUSIC – mais um braço da SONY.
A POLYGRAM virou UNIVERSAL MUSIC – mais um braço do parque temático, cinema, bonequinho, álbum de figurinhas, etc e tal.... Que por sua vez já foi vendida para um grupo francês enoooooooooooooooooorme, e que nunca trabalhou com música antes.
A RCA de ontem, a do cachorrinho no gramofone, é hoje BMG.
O André me mostrou pela Internet “ quem “é a BMG. Tentem ,e pasmem!
E por aí vai...
Ou seja, nas últimas décadas, o negócio foi crescendo tanto que a própria indústria, deslumbrada com os louros conquistados, foi arrebatada pela tentação financeira e acabou abrindo mão de si própria, para se tornar mais um braço de uma grande corporação.
Como braço, se a “gravadora” não gerar um volume pré-determinado de dinheiro no ano, o cargo dos executivos entra em pane, e pode haver um desastre nas suas promissoras carreiras.
Que entre em pane então a arte, a cultura,o artista, e tudo o que é mais trabalhoso de colocar no mercado, pois o consumo deve ser rápido e por atacado. Sem riscos desnecessários.
Quanto mais essa rapidez atropeladora vai crescendo e “resolvendo” a questão, menos importância e cuidado sobra para a arte e o artista – originalmente a matéria prima da indústria!....
Salve as bundas! Salve o hedonismo! Salve a banalização do sexo, da televisão, do “tornar-se famoso a qualquer preço”, e da informação!!!
(que se faça justiça: esse mérito não é só da indústria da música!!! )
É o que temos, e teremos por um bom tempo, até que o mal se consuma a si próprio, e o povo se farte do sexismo, desmistifique a fama barata, e finalmente respire a permissão de merecer mais e melhor do que isso.
Em contrapartida, o Brasil é um grande mercado para a música.
Não é tão difícil alcançar o mínimo anual estipulado. Não requer grandes investimentos comparados aos que os outros braços costumam disponibilizar para o marketing dos respectivos produtos.
Desde que abriu mão da sua identidade para se tornar “parte” de algo maior, deixou também de crescer, de se atualizar, pesquisar, abrir mercados novos, e de investir adequadamente nos seus produtos.
Os caminhos para divulgação trocaram de nome mas continuam os mesmos!
Me pergunto:
Qual é o investimento de suporte que a indústria já fez por aqui?
Casas de espetáculo:
Empresas de igual ou menor porte,investem em suas marcas associando seus nomes a espaços culturais:
ATL Hall (Rio), Credicard Hall, Direct Tv Hall, Teatro Alpha Real (S.P.)
- Tem algum “UNIVERSAL MUSIC´S THEATER“ em algum lugar do Brasil?
Quem sabe um “WARNER Music Hall“ ????
Entre nós: para quem trabalha com música, investir num “show room ” - um lugar adequado para a apresentação da mesma - não é tão incoerente assim.... você não acha????
Seria até uma garantia de visibilidade para seu investimento, além de ser uma mais do que justa forma de reconhecer a hospitalidade brasileira, oferecendo à sociedade e ao artista mais um local de cultura, lazer e trabalho.
O Bradesco – instituição financeira – fundou e cuida de um grande e super bem estruturado orfanato.
O Bank Boston - instituição financeira - também.
O Itaú - instituição financeira - tem um centro cultural que oferece espaço e visibilidade para que artistas de várias áreas possam mostrar seu trabalho e o público tenha acesso à arte e informação.
Vocês já viram alguma ação cultural e /ou benemérita das multinacionais da música no Brasil ????
Tudo bem que a TV a cabo seja outro braço desta verdadeira “SHIVA” capitalista, e que portanto temos bolsos diferentes........ embora na mesma calça.
Seria uma heresia pensar em contar com uma pequena janela – pode ser até uma fresta – para a apresentação do nosso produto musical, o da própria empresa ?!!?
Todo o longa metragem lançado,tem sua trilha sonora distribuída e vendida pelo seu “braço” música do país em questão. Será que isso deveria permanecer assim mesmo, unilateral????
Aí vem aquelas justificativas todas para explicar que a divulgação é escassa porque os programas são sempre os mesmos etc etc
Ai que pena e que cansaço!
Tenho 24 anos de carreira profissional, e 46 de idade, ou seja: não dá mais para ouvir as mesmas desculpas de sempre por aquilo que não foi feito, e acreditar que as alternativas não são viáveis!!!!!
Reclamam da pirataria, e com razão.
Mas temos de reconhecer que o mercado foi negligenciado pela própria indústria.
Ela sempre subestimou o que chamava de “menor “.
Nisso incluem-se a própria pirataria, que há 10 anos atrás representava um “nada” para o mercado, e as pequenas cadeias ou lojas isoladas, porém especializadas em música.
A inadimplência alegada para o corte ao crédito das pequenas lojas, realmente é um fator desestruturador e requer providências.
Nem sempre encontramos a melhor saída para a crise.
Acho que abrindo mão de vender música, abriu-se mão do mercado dela.
Tenho saudade de entrar naquela loja onde o mocinho de crachá se aproximava para ajudar, e quando eu perguntava sobre um determinado artista, ele sabia tudo o que havia sido gravado nos últimos anos.
Mostrava os CDs, citava músicos e o solo da guitarra numa canção, o de sax na outra....
Eram bons os tempos em que se ouvia um disco inteiro com prazer e sede de estar perto da criação e do artista.
Hoje em dia, as lojas minguaram a tal ponto, que só se encontram CDs em supermercados, loja de departamentos, postos de gasolina, e graças a Deus em livrarias!
Imaginem, o CD, produto tão vendido no país, perdeu sua própria loja!!!!
O terrível, é que nesses lugares, (nas livrarias menos) não há lugar para catálogos.
Você só acha os sucessos:
1- da novela,
2- das rádios de “parada musical” ,
3- de compilação feito pela própria gravadora para parecer produto novo, e
4- com sorte, dos últimos 2 ou 3 CDs do artista – lógico, se tiverem sido um sucesso!
Sucesso – essa é outra boa questão a se repensar.
O sinônimo de sucesso para mim sempre foi o de obter um resultado positivo como decorrência de algum bom trabalho.
Para se obter um resultado é preciso fazer alguma operação antes, certo?
Então, desde que sucesso passou a ser encarado como sinônimo de fama e de dinheiro a qualquer preço, foi diminuída a importância do trabalho do artista.
O sucesso passou a ser a meta, e não o resultado.
As máquinas maravilhosas que corrigem desafinações, e trazem já ritmos e timbres completos, são capazes de reduzir o número de músicos e de consertar qualquer erro.
Não sou contra essa tecnologia, muito pelo contrário – acho bárbaro!
Só sinto por ela estar sendo utilizada tão abusivamente.
O mercado e a mídia podem estar lotados de pessoas que se tornam famosas, mas nem por isso podem ser reconhecidas como artistas.
Isso é sucesso?????
Olha, até meu cachorrinho pode latir afinadinho, e com sorte se cair no gosto popular, ser o maior sucesso do Brasil.
Sucesso no dicionário deles, bem entendido!
Cabe dizer, que neste momento da história, a indústria nacional de música – ontem um “nada “ para o mercado - tem revelado extrema criatividade ao lidar com o mercado, a mídia e as concorrentes.
Que bom poder olhar para este cenário e ver que a batuta na mão da indústria brasileira (a verdadeira ABPD) está regendo um leque aberto de opções menos preconceituosas, preguiçosas e tendenciosas, garantindo um pouco da imensa variedade de músicas e estilos do país – o que caracteriza nossa riqueza cultural.
Tomara que não se percam pelo caminho. Não haverão de se perder!
Enfim quem sou eu para criticar?
Como já disse desde o início, não sou dona da verdade.
Essa é apenas a minha visão deste momento da história da música popular & indústria & mercado.
A mim, cabe apenas saber até onde posso andar nessa direção.
Não me reflito nesses valores.
Sei que vai ser trabalhoso daqui por diante realizar meus projetos sem o suporte financeiro e mercadológico da indústria, mas acredito que vai rolar sim!
Parei de andar por esse caminho, mas não parei de cantar.
Gosto de música, muito! De música com “M” maiúsculo.
E é essa a música que pretendo realizar sempre.
Pode demorar um pouquinho, mas tenho certeza que vai rolar!
Para você meu querido amigo, que vem me acompanhando ha algum tempo, agradeço de coração, e espero retribuir lhe apresentando um trabalho do tamanho do seu carinho e atenção.
Vamos manter contato!
Um grande beijo,
Zizi

Comentários

Pat disse…
Muito bacana ver seus textos aqui também. Suas observações acerca das coisas e momentos, legal mesmo. Ah! E tem também "O Guardor de Rebanhos" né?
Até
Pat
morettovalente disse…
ZIZI VOCE TEM UM LEQUE PARA CONVIDAR!!!!ADJAVAN E UMA OTIMA PEDIDA,WANDERLEA FOI ASSIM!!!!LULU SANTOS TEMPOS MODERNOS!!!COMO UMA ONDA(LEMBRA?)IVAN LINS ,LEMBRA DE MIM!!!!(SERIA TUDO DE BOM ESSA REGRAVAÇÃO FEITA POR VOCE)!!CAUBY PEIXOTO BASTIDORES!!!(ELE MORA EM SP)OBS:COM A BIBI FERREIRA VAI ROLAR UMA HOMENAGEM A PIAF????ESPERO TER DADO BOAS DICAS!!
BOA SORTE
Ghiza Rocha disse…
Ai Zizi, estou aqui lendo seu blog todinho... e não pude não comentar neste post. É muito bom quando vc explica como funciona essa maquinha chamada indústria musical, porque as vezes eu penso que eu to ficando doida, será que ninguém tá vendo o mesmo que eu? Penso exatamente como vc, e fico um pouco triste porque minha filha não vai viver aquela emoção que eu sentia quando eu tinha algum dinheirinho e saia de casa especialmente para comprar um determinado vinil! Na loja de discos que tinha alí perto da rua do Gasômetro, no Brás dos anos 80...

Postagens mais visitadas deste blog

Existe uma música cuja letra diz   “recordar é viver”
Pois bem, eu digo o contrário. Viver, de verdade, é recordar…..
Daquilo que, intimamente, já sabíamos - mas não lembrávamos que sabíamos… Recordar através de uma palavra solta no ar, um gesto, uma intenção, um deja-vù… qualquer coisa se presta a ser um sinal que suga dos infinitos do inconsciente a lembrança vaga de fatos, mas muito sólida em conteúdo e sentido.
Lembrar disso tudo trás sentido ao viver, ao sofrer que faz parte, àquilo que temos de aceitar porque a impotência bate de frente….
O caminho dessas lembranças, pelo menos o único que conheço, está bem perto - ou melhor : bem dentro de nós. Há que se ter coragem = core ( coração + agir ). Há que enfrentar nossos próprios demônios e dragões, que guardam as portas de entrada da memória… Parece simples, mas não é. Um pequeno e único gesto, por menor que seja, nessa direção, acredite: é Hercúleo.
Bem vindo à complexidade - inevitável como o destino - que nos compõe, e parece cobrar sua aut…

Pensou que eu tinha esquecido de você Eli?????

Mas não esqueci não!!!!!
Parabéns atrasados querida, mas limpinhos e cheios de carinho!!!
Desculpe não ter postado ontem!
Fui abduzida pela minha filha que me levou a um cinema incrível, a gente quase deita nele! E os garçons servem o que a gente já pediu.
Assistimos Almodovar com um pacote imenso de pipocas e prosseco rosê.
E eu ficava pensando: será que vai dar tempo de postar o parabéns da Eli?????
Não deu, mas então aqui vai:

PARABÉNS ELI!!!!
Muita saúde, paz, realizações, amor, felicidades e que seus desejos mais lindos sejam realizados!
Receba um beijo meu enooooooooooorme, e deste blog inteirinho que te ama!

Ah, a Carminha fez um cartão lindo prá você, só que veio em pdf. extensão que o blogger não aceita para uploads.

Então saiba que o carinho de todos por aqui é muito maior do que o que você imagina!
Beijos mil

Mistério revelado

Que bacana vocês terem aprovado o verde de fundo do blog.
É em homenagem à nossa escolha por maioria, ao partido verde, que na verdade com ou sem partido, é a cor de fundo das escolhas dos nossos corações, não é mesmo?

Um blog que reúne pessoas que amam animais, vegetais e minerais, música, arte e verdade, é no mínimo ecológico e ético, certo people?

Então, vou contar para vocês sobre o mistéééério que me levou ao planalto central.

Uma amiga comentou há algumas semanas, que um grupo de amigos estava com vontade de ir à Abadiânia - cidade do interior do estado de Goiás, para ser vista pelo médium João de Deus, a quem é atribuído grande poder de cura das mais diversas doenças.

Vi na minha agenda que naquele final de semana eu estaria com tempo livre, e resolvi me juntar ao grupo, uma vez que nos últimos anos tenho me sentido um "mostruário" de males que a medicina tem pouco ou nenhum jeito eficiente de tratar. Alguns não têm nem diagnóstico..... já passei por tantos hospitais, médi…